quinta-feira, 20 de abril de 2017

Greve Geral 24/04: Servidores públicos do Pará vão parar

                  Foto: Rui Baiano Santana
Os servidores públicos do estado do Pará, que fizeram dois dias de protesto (18,19 de abril), contra a política de arrocho salarial do governo Jatene (PSDB), aprovaram em Assembleia ontem na Praça da República centro de Belém, participar da Greve Nacional contra a reforma da previdência e trabalhista de Temer.

2 comentários:

Mary A.B. disse...

ATENÇÃO O GOVERNO VAI TIRAR A PARIDADE E A INTEGRALIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS QUE JÁ ESTAVAM AMPARADOS POR LEI, OS QUE ENTRARAM ANTES DE 2003!!!!!
O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), retificou a informação, divulgada mais cedo, de que havia sugerido novas mudanças nas regras para servidores públicos.
Ao retomar a apresentação de seu relatório em uma comissão da Câmara dos Deputados nesta quarta (19), Maia primeiro informou que desistiu de sugerir uma medida que dificultaria a aposentadoria integral de servidores públicos que ingressaram até 2003.
Posteriormente, afirmou que manterá no texto as regras mais duras para esses mesmos servidores.
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
As mudanças propostas na aposentadoria

Calculadora: veja quanto falta para se aposentar se aprovarem a proposta do governo

Entenda o que deve mudar se a reforma da Previdência for aprovada

Brasileiro teria que contribuir ao menos 49 anos para ter direito a aposentadoria integral

Nova fórmula da reforma proposta pelo governo reduz valor final da aposentadoria

Saiba qual a melhor hora para se aposentar

Tire 50 dúvidas sobre aposentadoria e reforma da Previdência proposta pelo governo

Hoje, funcionários públicos têm direito a paridade e integralidade -ou seja, se aposentam com um valor igual ao último salário e recebem o mesmo reajuste de quem está na ativa.
Pela versão do relatório que prevaleceu após várias idas e vindas, para terem direito à integralidade e paridade, esses servidores terão que esperar até 65 anos (homem) e 62 anos (mulher).
Questionado sobre a confusão, Maia afirmou : "Vou mandar fazer errata da errata, então."
"Precisa de 65 anos para ter integralidade, ponto final", disse o relator, salientando que, para mulher, a idade é de 62 anos.
A incoerência foi destacada pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), quando o relator não estava mais na comissão.

Mary A.B. disse...

ATENÇÃO O GOVERNO VAI TIRAR A PARIDADE E A INTEGRALIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS QUE JÁ ESTAVAM AMPARADOS POR LEI, OS QUE ENTRARAM ANTES DE 2003!!!!!
O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), retificou a informação, divulgada mais cedo, de que havia sugerido novas mudanças nas regras para servidores públicos.
Ao retomar a apresentação de seu relatório em uma comissão da Câmara dos Deputados nesta quarta (19), Maia primeiro informou que desistiu de sugerir uma medida que dificultaria a aposentadoria integral de servidores públicos que ingressaram até 2003.
Posteriormente, afirmou que manterá no texto as regras mais duras para esses mesmos servidores.
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
As mudanças propostas na aposentadoria

Calculadora: veja quanto falta para se aposentar se aprovarem a proposta do governo

Entenda o que deve mudar se a reforma da Previdência for aprovada

Brasileiro teria que contribuir ao menos 49 anos para ter direito a aposentadoria integral

Nova fórmula da reforma proposta pelo governo reduz valor final da aposentadoria

Saiba qual a melhor hora para se aposentar

Tire 50 dúvidas sobre aposentadoria e reforma da Previdência proposta pelo governo

Hoje, funcionários públicos têm direito a paridade e integralidade -ou seja, se aposentam com um valor igual ao último salário e recebem o mesmo reajuste de quem está na ativa.
Pela versão do relatório que prevaleceu após várias idas e vindas, para terem direito à integralidade e paridade, esses servidores terão que esperar até 65 anos (homem) e 62 anos (mulher).
Questionado sobre a confusão, Maia afirmou : "Vou mandar fazer errata da errata, então."
"Precisa de 65 anos para ter integralidade, ponto final", disse o relator, salientando que, para mulher, a idade é de 62 anos.
A incoerência foi destacada pelo deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), quando o relator não estava mais na comissão.