sábado, 23 de maio de 2015

Médicos ‘fantasmas’ são indiciados no Paraná. Nenhum é cubano


CGU e Polícia Federal na UFPR identificam “doutores” que abandonam função pública pela qual recebem, enquanto atendem em suas clínicas particulares
por Helena Sthephanowitz publicado 23/05/2015 10:40
LEONARDO BETTINELLI
hc.jpg
Hospital da UFPR: dez médicos indiciados por estelionato, falsidade ideológica, prevaricação e abandono da função
A partir de auditoria da Controladoria Geral da União (CGU), a Polícia Federal deflagrou na quinta-feira (21) a Operação São Lucas, no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba. Dez médicos serão indiciados pelos crimes de estelionato qualificado, falsidade ideológica, prevaricação e abandono da função pública. Os “doutores” ganham salários de até R$ 20 mil como funcionários públicos concursados, mas pouco apareciam no trabalho, ou apenas batiam o ponto e iam embora atender em consultórios ou clínicas privadas, deixando desfalcado o atendimento na rede pública. O esquema incluía fraude nos cartões ponto e outras pessoas podem estar envolvidas.
A CGU cruzou dados, identificou produtividade muito baixa de alguns médicos, realizando poucos procedimentos e atendimentos, incompatível com a jornada de trabalho, e constatou dez casos mais graves que há muitos anos recebiam salários praticamente sem trabalhar, segundo o delegado federal Maurício Todeschini.
Na auditoria foram constatadas injustificadas divergências na folha de ponto, no Sistema de Informação Hospitalar e na catraca de acesso. Na ocasião, a CGU recomendou a adoção de controles efetivos na jornada de trabalho dos médicos. Nenhuma medida efetiva foi implementada.
A investigação também constatou a existência de médicos com baixa assiduidade, em alguns casos com índices inferiores a 7%. No papel há uma grande quantidade de médicos, como 168 cirurgiões, suficiente para prover um bom atendimento do hospital à população, mas apenas 27 deles realizaram 61,41% das cirurgias. Mesmo entre os mais assíduos, a média de dias de trabalho é baixa (15%). Com isso o atendimento ficava precário com a fila de espera por uma cirurgia cardíaca chegando a 1.354 dias no HC.
A operação recebeu o nome de São Lucas por ser o santo padroeiro dos médicos e mobilizou 50 policiais federais e três servidores da CGU. Cumpriu mandados de busca e apreensão no hospital e interrogou servidores na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Na manhã da sexta-feira (22), diretores do Hospital prestaram esclarecimentos à polícia federal.
A PF não divulgou os nomes dos indiciados nesta fase, alegando que a investigação ainda está em curso, mas informou que os indiciados são médicos renomados na cidade, alguns professores da UFPR. Um deles é dono de um grande hospital privado de Curitiba. Atuavam na ultrassonografia, radioterapia, clínica médica, transplante de medula, nefrologia, cirurgia toráxica e cardiológica, serviços de reprodução humana, radiologia e ginecologia.
Todeschini, afirmou que outros profissionais podem estar envolvidos. “Continuaremos aprofundando a investigação já que a ausência atrasava muito os atendimentos. O parecer da CGU mostra que pacientes ficavam meses na fila e outros médicos acabavam ficando sobrecarregados, principalmente os residentes”, disse.
Além do inquérito da PF, a CGU recomendou à Universidade a instauração de procedimentos disciplinares e acompanhará as medidas corretivas.
A reitoria da UFPR divulgou nota afirmando que determinou a abertura de Processos Administrativos Disciplinares individuais contra os funcionários citados e sindicância sobre os responsabilidade pelas fraudes no controle do ponto, além da imediata imediata implantação do controle biométrico de frequência a todos os 2.900 servidores no HC.
A direção do hospital também emitiu nota dizendo apoiar “incondicionalmente os órgãos de controle em suas ações que visam a apuração de quaisquer irregularidades”. Afirmou que que o registro eletrônico de ponto está em curso, mas ainda não foi implantado em todos os departamentos. Informou que as escalas de trabalho dos profissionais de saúde do HC é publicizada por meio do seu site.
O Conselho Regional de Medicina do Paraná informa que pode abrir sindicância sobre as denúncias e em caso de infrações éticas vai encaminhar os fatos à Corregedoria para apuração. A Associação Médica do Paraná informou que não vai se pronunciar sobre o caso neste momento.
A operação da Polícia Federal teve pouca cobertura nacional pela imprensa oligopolista, mas o interesse público exige maior divulgação, pois casos semelhantes não são raros em unidades de saúde de todo o país. A ampla divulgação presta serviço à cidadania, sobretudo a pacientes do SUS, e serve para dissuadir médicos de praticarem malfeitos.
No ano passado, quando foi implantado o programa Mais Médicos, o Ministério da Saúde precisou contratar médicos estrangeiros, havendo disponibilidade em grande escala apenas de cubanos. Várias entidades médicas brasileiras fizeram ferrenha oposição ao programa, chegando às raias do preconceito e da xenofobia. Felizmente o episódio foi superado. Espera-se dessas entidades proporcional indignação, além de rigor com as más condutas de médicos – como constar da folha de pagamento até aposentar, receber recursos públicos para atender pacientes do SUS que não são atendidos por fraude no comparecimento ao trabalho e pôr em risco as vidas de pessoas que esperam por um procedimento.

Quem vai parar esse cara? Deputado Eduardo Cunha quer acabar com o SUS


Via Ascom do Deputado Federal  Jorge Solla(Ba)

O SUS que a gente constrói desde 1988 e como a gente conhece hoje sofre uma grande ameaça com o PEC 451, de Eduardo Cunha, que muda a Constituição transferindo quase que completamente do Estado para o empregador o dever de garantir o acesso à saúde. O projeto é o paraíso dos planos de saúde e o resultado para a saúde pública é devastador: se for aprovado,
haverá um cambaleante SUS sem recursos financeiros, definitivamente de baixa qualidade para os que não podem pagar pela saúde – os pobres, desempregados, aposentados, viúvas, órfãos – convivendo com o resto da população empregada que terá acesso a planos privados – de categorias diferenciadas conforme for o porte do seu empregador – cuja garantia de qualidade é uma incógnita frente à frágil regulação do setor. Garantia de desigualdade de atendimento permitido pela própria Constituição, ferindo o princípio da isonomia e o da igualdade no SUS. Vamos nos informar e discutir para, assim como o PL4330, não deixar que  
Saiba mais: http://goo.gl/HdzlNj 



BRASIL: SENADORES FORMAM A FRENTE PROGRESSISTA CONTRA PROJETOS CONSERVADORES DA CÂMARA

Via Blog Evidentemente de Jadson Oliveira

frente-progressista-suprapartidariagde
(Foto: Viomundo)
O grupo conta com o apoio de movimentos sociais e centrais sindicais que se manifestaram contra o avanço da agenda conservadora no Congresso Nacional nos últimos meses.
por Rafael Zanvettor, na Caros Amigos - reproduzido do blog Viomundo - o que você não vê na mídia, de 22/05/2015
Membros do Senado oficializaram nesta quarta-feira (20) a criação do comitê executivo para por em movimento a recém-criada Frente Progressista Suprapartidária do Senado. Interessados em defender projetos progressistas e barrar projetos de lei (PL) conservadores aprovados pela Câmara dos Deputados, os senadores criaram o bloco no fim de abril, mas só agora deram início à atuação prática do grupo.
Foram escolhidos como membros do comitê executivo os senadores João Capiberibe (PSB-AP), Hélio José (PSD-DF), Elmano Férrer (PTB-PI), Fátima Bezerra (PT-RN) e Cristovam Buarque (PDT-DF). Para o líder do PSB no Senado, João Capiberibe, “o grupo foi criado com o objetivo de contrapor a agenda conservadora da Câmara, e está tratando de temas específicos que atrasam o desenvolvimento político social da sociedade brasileira”. O grupo conta com o apoio de movimentos sociais e centrais sindicais que se manifestaram contra o avanço da agenda conservadora no Congresso Nacional nos últimos meses.
Temas
Segundo o senador João Capiberibe, a princípio o bloco atuará em conjunto em cinco pautas muito específicas. “O grupo é contrário ao PL da terceirização, e por isso o primeiro ponto é a possibilidade de colocar um novo projeto de lei substitutivo, contemplando o tema da terceirização, mas defendendo o direito dos trabalhadores e suas reivindicações”. O Segundo projeto contra o qual a frente irá se posicionar é o projeto de redução da maioridade penal, aprovado no dia 31 de março na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.
Além disso, o grupo irá lutar para barrar a aprovação do Estatuto da Família pautada pela bancada evangélica, que não considera casais homoafetivos como família; a mudança no Estatuto do Desarmamento, que pretende liberar o porte de armas e o já aprovado projeto que acaba com a obrigação de identificar no rótulo produtos de origem transgênica.
Recado a Cunha
Para o senador do PT, Lindberg Farias, a formação do bloco manda um recado ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), mostrando que o Senado não será conivente com essa agenda “extremamente conservadora”. Com 30 senadores compondo a Frente, de um total de 81, o senador petista acredita que eles têm força para barrar os projetos da Câmara.
Na próxima reunião da Frente, na terça-feira da semana que vem, estarão presentes também movimentos sociais e sindicais: “Vamos chamar os movimentos sociais para que haja não apenas uma resistência no Congresso, mas na sociedade civil. A ideia agora é consolidar a Frente e aprofundar sua relação com a sociedade, por isso na próxima reunião haverá muita gente que está preocupada com o que acontece na Câmara, a gente acredita que vai ter apoio da população”.
A Frente é formada pelos senadores, Lindbergh Farias (PT-RJ), Telmário Mota (PDT-RR), Paulo Paim (PT-RS), Roberto Requião (PMDB-PR), Donizeti Nogueira (PT-TO), Regina Sousa (PT-PI), Lídice da Mata (PSB-BA), Jorge Viana (PT-AC), Roberto Rocha (PSB-MA), Randolfe Rodrigues (PSol-AP) e Vanessa Graziotin (PCdoB-AM), entre outros.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Regina Barata deve ser a candidata do PT a prefeitura de Ananindeua

A ex-deputada Regina Barata deve ser a candidata do PT a prefeitura de Ananindeua. O blog está realizando uma enquete sobre a preferência dos nossos internautas para o pleito de 2016, a direção do PT municipal foi consultada e disse que ainda não tinha nomes para a disputa de 2016. Ontem uma fonte informou que o Partido vai ter candidato a prefeito.
O PT no município tem três correntes: Uma comandada por Luís Freitas (conhecida como barbalhista) ligada ao ex-prefeito e atual ministro da pesca Helder Barbalho (PMDB), a outra do ex-vereador Pedro Soares (pioneirista) que tem ligação com o atual prefeito Manoel Pioneiro (PSDB) e a terceira, liderada pelo Jornalista Beto Ribeiro (independentes) presidente do PT Ananindeua que defende que o PT tenha candidatura própria.

domingo, 17 de maio de 2015

O pesadelo da perda da Amazônia existe, e agora tem mapa, programa e justificativa


Por Rogério Maestri via Jornal GGN
Quando alguém fala da pretensão de países do primeiro mundo através de causas ambientais em se apropriar da Amazônia é chamado de paranoico, psicótico e defensor de fazendeiros e madeireiros. Falava-se muito de um mapa norte-americano em que a Amazônia já era considerada uma grande reserva ambiental, porém dados reais sobre esta ameaça eram quase uma lenda urbana do que qualquer outra coisa, porém nos dias atuais chega uma proposta de internacionalização da Amazônia com mapa, proponente e superfície, o chamado Corredor Ecológico Triplo A.
O presidente colombiano Juan Manuel Santos, presidente do único país da América do Sul que possui bases das forças armadas norte-americanas (sete ao todo, Palanquero, Apiay, Malambo, Cartagena, Tolemaida, Larandia y Bahía Málaga) e recebe de ajuda militar dos Estados Unidos simplesmente para combater as drogas propôs um “ambicioso programa” de criar o chamado Corredor Ambiental Triplo A na América do Sul.
O que significa este Corredor Ambiental Triplo A? Simplesmente um corredor que daria continuidade entre os Andes até o Atlântico passando pela Amazônia. Certo, segundo definição da Wikipédia um “Corredor ecológico ou corredor de biodiversidade é o nome dado à faixa de vegetação, que podem ter por objetivo ligar grandes fragmentos florestais ou unidades de conservação separados pela atividade humana (estradas, agricultura, clareiras abertas pela atividade madeireira, etc.), possibilitando o deslocamento da fauna entre as áreas isoladas e, consequentemente, a troca genética entre as espécies e a dispersão de sementes.”
Da definição de corredor tem-se: Passagem estreita e alongada; galeria; caminho coberto. Ou seja, um corredor é uma passagem estreita não LARGA para a passagem. O corredor proposto pelo Presidente Santos teria a largura dentro do Brasil variando de 50 km junto a Venezuela que neste caso cederia do seu lado mais 50 km, e nas partes mais largas no Brasil teria 500 km, ou seja, seria mais largo do que os mais compridos corredores ambientais do mundo.

É importante ressaltar que a expressão Corredor Ambiental não se aplica a esta área, pois corredores ambientais são, como induz o nome, áreas compridas e estreitas que ligam duas ou mais áreas de preservação que estão separadas e as espécies que estão restritas nestas áreas por endogamia poderiam sofrer processos de degradação. No caso da Amazônia os parques e as reservas ambientais são tão extensos que geralmente não necessitam corredores interligando-as.
A ideia deste corredor monstro partiu da ONG Gaia Amazônia, (http://gaiaamazonas.org/) que apresenta um belo site em inglês e espanhol, português parece que não é muito necessário pois somente 61% do corredor ficará dentro do Brasil, numa área equivalente a 3,7 vezes o estado de São Paulo!
Esta Fundação Gaia Amazônia é uma filial da Gaia Foundation, estreitamente vinculada à Casa de Windsor, a família real britânica, tendo no seu conselho de curadores de quatro membros, Jules Cashford escritora, palestrante e autora de livros sobre mitologia, Edward Posey ex-piloto da RAF trabalhou para o National Service inglês (órgão responsável pelo recrutamento militar) e um tempo depois se viu emocionado com a situação do mundo que dedica os últimos trinta anos de sua vida a atividades filantrópicas como a de imiscuir nos países do terceiro mundo, recebeu a Ordem do Império Britânico (OBE) por serviços ao governo inglês na Gaia Fondation (está assim no seu currículo no site!), além de um engenheiro norte-americano ainda temos a Marquesa de Worcester, a conhecida Marquesa Verde. Ativista social e ambiental e a última causa que ela abraçou em 2013 é a de que as nobres inglesas possam guardar os seus títulos de nobreza através da linha feminina, algo extremamente importante para o movimento feminista internacional.
A ideia deste projeto é unificar todas as áreas indígenas para que nelas sejam introduzidas o conceito de AATIs – Associations of indigenous Tradicional Authorities, um conceito de autogovernação das tribos indígenas sob a orientação da Gaia Fondation (fica implícito), pois segundo “É um único modelo de responsabilidade compartilhada para a proteção da floresta amazônica.” (Só não dizem com quem que será compartilhada esta responsabilidade).
Esta sugestão vai ser levada pelo Presidente Santos para COP 21 em Paris, objetivo, salvar o mundo do aquecimento climático. 
Este plano já é divulgado em toda a imprensa internacional e aqui no Brasil a repercussão não existe.
Mais informações em:

sábado, 16 de maio de 2015

O idiota agressivo que atacou Padilha


Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Nelson Rodrigues escreveu, algumas décadas atrás: “Os idiotas perderam a modéstia.”

É uma frase que conserva a atualidade cortante, e que se aplica perfeitamente ao palhaço – usemos a palavra correta – que interrompeu o almoço de Padilha em São Paulo.

O nome é Danilo Amaral. Advogado e executivo.

Que você seja antipetista radical, tudo bem. Que bata panelas e se enrole em bandeiras e vá a manifestações na Paulista, tudo bem.

Mas chamar a atenção para si num restaurante para fazer um discurso que ninguém pediu, bem, aí você é um mentecapto.

E a pior espécie de mentacapto: o arrogante. Presunçoso. O mentecapto exibicionista. Exatamente aquele que, como disse Nelson Rodrigues, perdeu a modéstia.

Um imbecil que pede a palavra num ambiente público só pode falar bobagens, e com Amaral não foi diferente.

Ele conseguiu criticar Padilha pelo maior acerto de Dilma no primeiro mandato, o programa Mais Médicos, que levou assistência a milhões de brasileiros sem as mesmas condições financeiras de Amaral.

Não foi sua única manifestação de pobreza mental. Ele chutou um número sem pé nem cabeça: 1 bilhão. Este teria sido o custo do Mais Médicos.

Como disse uma internauta, Amaral lembrou aí Levy Fidelix, com suas quantias estratosféricas, declamadas umas após as outras, inteiramente sem sentido.

Comédia à parte, pessoas como Danilo Amaral são um perigo. O ódio as governa. Hoje fazem uma palhaçada, mas que poderão fazer amanhã, sem controlar a raiva irracional que as domina?

Todos lembramos aquele norueguês sinistro que, tomado progressivamente por um tipo de ódio sem freios pelos muçulmanos, acabou matando dezenas de jovens.

Vamos esperar uma tragédia para enfrentar o desafio da raiva insana que é a marca hoje de um grupo que perdeu as eleições e, estimulado pela mídia e por políticos como Aécio, não conseguiu aceitar a derrota?

Amaral, particularmente, é uma triste figura na vida profissional – e é possível que seu fracasso pessoal pese em seu comportamento.

Muitas vezes procuramos culpados fora de nós para nossos fiascos.

Amaral enterrou, como vice-presidente, uma companhia área, a Bra, que chegou a ter 4,5% do mercado nacional.

Depois, anunciou à mídia que iria ressuscitá-la, agora como presidente. Nada. A agência que regula a aviação brasileira cataloga a Bra como, simplesmente, “inoperante”.

Ninguém sabe direito o que Amaral faz hoje depois da Bra além de bravatas ridículas como a que promoveu no restaurante.

Fora tudo, ele acabou acertando a si mesmo. O vídeo vazou, e sua identidade se tornou conhecida da pior maneira possível.

Quem, fora os igualmente enraivecidos e obtusos, respeita um sujeito que faz o que ele fez?

Nas redes sociais, pessoas que se condoeram da agressão a Padilha começaram a espalhar a ficha de Danilo Amaral.

Até seu telefone foi compartilhado.

Isso significa que acabou seu sossego, e o de sua família.

Como os idiotas de que falava Nelson Rodrigues, ele perdeu a modéstia. E, com ela, a paz.

Quis ser espirituoso e humilhar outra pessoa. Foi apenas um imbecil que se autodesmoralizou com um gesto tão repulsivo.

O QUE AS GREVES DE PROFESSORES PELO BRASIL TÊM EM COMUM: OS GOVERNOS

Via blog Evidentemente de Jadson Oliveira

Professores de SP em greve se manifestam na Avenida Paulista (Foto: Internet)
Dos cinco locais do Brasil que possuem professores da rede estadual de ensino em greve, quatro são governados pelo PSDB e um pelo PSD; confira quais são os estados e suas reivindicações 

Do Portal Fórum, de 15/05/2015 

Vem chamando atenção na imprensa, nas últimas semanas, a greve dos professores da rede estadual de ensino do Paraná, principalmente por conta da operação policial que deixou centenas de feridos no final de abril. Vez ou outra, a mídia tradicional veicula também algo sobre a greve dos professores do estado de São Paulo, que continua sendo ignorada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). Outros três estados do país, no entanto, também possuem professores estaduais em greve e pouco se fala ou se noticia. 

Ainda que as reivindicações dos docentes de cada estado sejam bem parecidas – como a questão do reajuste salarial -, um ponto que converge entre eles é a orientação política e a falta de diálogo do governo. Dos cinco estados que têm professores paralisados, quatro são governados pelo PSDB e um pelo PSD. 

Confira quais são eles: 

Goiás 

Os docentes entraram em greve na última quarta-feira (13) e pedem ao governo de Marconi Perillo (PSDB) o pagamento do piso dos professores e do salário integral dentro do mês trabalhado, a data-base dos administrativos, salário dos contratos temporários equiparados de acordo com o dos efetivos e a realização de concurso público. 

Pará 

No norte do país, os professores já estão em greve há mais de 50 dias. Eles pedem, entre outras coisas, o envio do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCR) à Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), a realização de reformas das escolas e o pagamento integral do retroativo do piso salarial. Apesar do tempo de paralisação, o governador Simão Jatene (PSDB) ainda não negociou com a categoria. Cinquenta professores estão, desde o início da greve, acampados no prédio do Centro Integrado de Governo (CIG), em Belém. 

São Paulo 

Em São Paulo, os professores da rede estadual estão paralisados há dois meses e, até agora, nenhuma proposta para retomar as aulas foi apresentada pelo governo do estado, comandado por Geraldo Alckmin (PSDB). Com 70% da categoria em greve, de acordo com o sindicato, os docentes reivindicam reajuste salarial de 75,33%, além de  melhores condições de trabalho, como o fim das salas de aula superlotadas. Desde que a paralisação começou, Alckmin a trata como uma “novela” ou, em alguns casos, afirma que “não existe greve em SP”. 

Paraná 

Paralisados há 21 dias, os professores da rede estadual do Paraná ganharam os holofotes da imprensa, principalmente por conta do massacre do qual foram vítimas em protesto realizado há duas semanas. Mesmo diante da evidente irresponsabilidade de seu governo em atacar os docentes, o governador Beto Richa (PSDB) até agora não apresentou uma proposta que satisfaça a categoria, que pede 8,17% de reajuste salarial. 

Santa Catarina 


Há 52 dias em greve, os professores estaduais de Santa Catarina também não receberam, até o momento, uma proposta por parte do governo Raimundo Colombo (PSD) que atenda as suas demandas. Eles reivindicam o Plano de Carreira, aplicação do aumento de 13% do piso nacional da categoria para toda a carreira e anistia aos grevistas de outros anos.