sexta-feira, 22 de julho de 2016

Artigo de Ivan Sampaio: Novas Regras Eleitorais: Me engana que eu gosto!


Ivan Sampaio*
Com as eleições municipais de 2016 batendo à porta, os partidos definiram seus candidatos, suas  coligações e buscarão até o momento final, convencer seus eleitores que possuem propostas capazes de criar novos e bons horizontes à dinâmica de seus municípios. Neste novo cenário, dentro ainda do calor das operações da "Lava Jato", a campanha segue com limites impostos pelas novas regras para doações pessoais e impedem que empresas contribuam para seus candidatos.
A campanha teria de ser mais pobre e moralizadora, no entanto, não será nem uma e nem outra, tudo leva a crer que as leis ou regras pouco tem valor nessas circunstâncias, haja visto que, apesar de não votar, as empresas de alguma forma continuarão contribuindo e doando em defesa de seus interesses nos negócios com o estado e os gastos tenderão a desdobrar-se em nova versão de caixa dois, onde os candidatos mais ricos buscarão conquistar aliados isentos de exigências com programas ou promessas - que como se sabe, dificilmente os dois serão cumpridos - mas que tenderão também a aumentar custos para seduzir partidos ou entidades e associações vendidas pelo peso do cifrão e nada mais.
O voto do cabresto não se modificou, apenas criou valor e novas formas de servir seus coronéis políticos, mas sem deixar de dormir no velho curral. A programação eleitoral televisiva definirão quem tem ou não competência econômica para seguir até o fim com fôlego de campeão. Será muito divertida!

As novas regras tentam aprisionar o carteiro e não a mensagem, pois o sistema e o modelo político continuarão impondo os velhos métodos e a mesma cena política, que propiciam aos melhores contadores de lorotas continuar a enganar o povo, como hoje ocorre, que por oportunismo vendem o peixe com discursos moralistas dizendo que corrigirão a violência e os desvarios sociais. Há de se perguntar; Como um prefeito ou vereador fará para corrigir a violência urbana e o crime que é uma tarefa de segurança pública que cabe ao estado e não ao município? É bisonho que candidatos também falem em investimentos sem falar em orçamentos e Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas falar disso a eleitores ignorantes, seria um risco em tentar dizer de onde vem recursos e como seriam aplicados. Isso não cabe aos nossos analfabetos eleitorais que como papagaios repetem as críticas da oposição ou imaginam que a administração pública deixa de fazer obras, escolas,  saneamento ou asfaltamento por puro desinteresse ou falta de comprometimento com o povo. Os que hoje tudo prometem, se eleitos, amanhã modificarão sua relação com o eleitorado porque nada ou pouco farão além das realizações de seus antecessores. Tudo é apenas um faz de contas, em que o vencedor, terá pouca isenção administrativa ou parlamentar em face do comprometimento com seus financiadores. Com o tempo, saberemos que as campanhas seguiram como os rios amazônicos, sempre os mesmos caminhos e redundaram em novos escândalos e quem sabe prisões, porque as novas regras foram turvadas em face do velho e falido sistema eleitoral, em que o eleitor não se lembra em quem votou na eleição anterior. Nosso sistema de apuração é chick e moderno, mas o modelo eleitoral continuará a nos enganar e a nada produzir, senão, personagens parlamentares sem compromissos ou contas a prestar com seus eleitores. Assim será.
 Ivan Sampaio é empresário, foi presidente da ACIA Associação Comercial e Industrial de Ananindeua -Pará
* Ivan Sampaio é empresário e foi presidente da ACIA Associação Comercial e Industrial de Ananindeua Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ

Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ
* Ivan Sampaio é empresário e foi presidente da ACIA Associação Comercial e Industrial de Ananindeua Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ

Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ
* Ivan Sampaio é empresário e foi presidente da ACIA Associação Comercial e Industrial de Ananindeua Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ

Make Money Online : http://ow.ly/KNICZ

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Deu na Folha de SP: Filho de governador do Pará fornece combustível a PM do estado

Beto Jatene (Foto Internt)

O Blog Ananindeuadebates já tinha denunciado há 5 anos anos atrás, agora virou manchete no Sul Maravilha. Leia mais

Trabalhadores(as) da CEASA vão a justiça contra Reajuste 0% do governo Jatene

                                                                                     Foto Rui Baiano Santana

Em assembleia na terça-feira (19/07) pela manhã os trabalhadores(as) rejeitaram a proposta da direção da Ceasa/Governo do estado, de reajuste salarial de 0%. Os trabalhadores aprovaram que o Stafpa entrasse com uma ação de Dissídio Coletivo junto a justiça do Trabalho.

Deputado Miro Sanova: Emendas parlamentar garante recursos para o polo da Uepa em Ananindeua


segunda-feira, 18 de julho de 2016

Ou fica na prisão ou não tem delação: a imposição da Lava Jato a Marcelo Odebrecht





Via GGN

O Jornal de todos Brasis

Procuradores não querem que Marcelo Odebrecht responda à Lava Jato em liberdade, pois isso poderia comprometer o "clima colaborativo". Há "boatos" de que o empresário vai entregar Lula e Serra na delação

Jornal GGN - A Folha de S. Paulo desta segunda (18) traz uma reportagem que denota a pressão sofrida por Marcelo Odebrecht para fechar um acordo de cooperação com a equipe da Lava Jato.

Preso há mais de um ano em Curitiba, enquanto outros delatores gozam do regime domiciliar, Odrebecht foi "convencido" a retirar um pedido de liberdade apresentado por seu advogado no último dia 5.

Segundo o jornal, a Lava Jato deu a Odrebecht "duas alternativa": "ou retirava o pedido de liberdade, ou estavam encerradas as tratativas para o acordo de delação premiada que ele negocia com procuradores desde março, logo após ter sido condenado a 19 anos de prisão".

A "alternativa" é curiosa, uma vez que a operação já é bastante criticada por usar pedidos de prisões, muitas vezes questionáveis, para arrancar acordos de delação premiada que entreguem informações contra políticos, por exemplo. Impedir que um empresário exerça seu direito de defesa usando a delação premiada como chantagem apenas endossa essas críticas.

Diante da pressão sobre Odebrecht, o advogado Nabor Bulhões enviou ao juiz Sergio Moro um ofício pedindo a retirada do pedido de liberdade "por motivo que se encontra em sigilo judicial".

Na versão da Folha, os procuradores entenderam que se Marcelo Odebrecht tivesse o pedido autorizado, isso poderia comprometer o "clima colaborativo" das negociações em curso.

O acordo de delação de Odebrecht tem sido vendido pelos jornais como "o mais explosivo" da Lava Jato, pelo número de políticos que serão citados.  A Folha publicou que "há boatos" de que Odebrecht entregará algo contra o ex-presidente Lula e o ministro José Serra, numa tentativa de demonstrar isenção.

Marcelo Odebrecht foi preso, pela primeira vez, sob a alegação de que pagara propina no exterior. Depois, Sergio Moro revogou a ordem e apresentou outra, com um novo motivo: um bilhete apreendido na sede da Polícia Federal em Curitiba apontava que o empresário poderia obstruir a operação com destruição de provas.

No pedido de liberdade que a defesa de Odebrecht retirou na semana passada, a alegação era que esses motivos para a prisão não mais existiam. Como o empresário foi condenado a 19 anos em uma das ações penais e é réu em mais duas, o advogado sustentou que todas as provas possíveis já estão em posse da Lava Jato.

Além de Odebrecht, os empresário Leo Pinheiro, da OAS, e Sergio Mendes, da Mendes Jr., também negociam um acordo de delação premiada. A diferença é que ambos o fazem em liberdade.

Segundo a Folha, os procuradores da Lava Jato querem que Odebrecht pague uma multa superior a R$ 6 bilhões - o empresário alega que não tem como arcar com esse pedido - e, além disso, dão sinais de que ele deve continuar preso mesmo após a delação, "como uma demonstração de que a força-tarefa não será tolerante com empresários que paguem multas bilionárias como ressarcimento."

quarta-feira, 13 de julho de 2016

"Nosso Buteco" Um novo espaço para a boêmia na Cidade Nova

Novo espaço para os boêmios e bons de garfos em Ananindeua-Pará. No comando a morena  Francy Ivone.  
No Final de linha do ônibus da Cidade Nova 8

terça-feira, 12 de julho de 2016

PSTU lança Cleber Rabelo para prefeito de Belém

Companheiros(as), Nesta quinta dia 14 de julho, o PSTU fará o lançamento da pré candidatura de Cleber Rabelo à prefeito de Belém. Queremos construir uma alternativa contra Zenaldo, Eder Mauro e à todos os corruptos. Uma pré candidatura à serviço das lutas, operária e socialista e contra todas as opressões. Contamos com sua presença! Será às 18h na câmara dos vereadores (Tv. Curuzú com 25). Grande abraço. Vereador Cleber Rabelo.