sexta-feira, 29 de junho de 2012

Maria Costa, esposa do prefeito Duciomar, pode ser a vice de Eliel Faustino, em Ananindeua.

Maria Costa
Maria Costa (PTB) , Esposa do prefeito Duciomar pode ser a vice do Dep. Eliel Faustino (PR)

O vereador Almir Santos, ex-tucano, pode ser o vice do Dep. Chicão (PMDB)

  Drº Jorge Farias (PCdoB), pode ser o vice de  Luís Freitas (PT)

O Cantor e ambientalista Cláudio Malcher (PV), é  o  vice de João Bernardes (PV)

O Dep. Pioneiro, tem uma Lista tríplice  para escolher seu vice até sábado: Fábio Figueiras (PSB),  Pastor Arlindo, ou um empresário que entre com dinheiro na campanha.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Propaganda na TV para eleição municipal de 2012

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Fábio Figueiras, ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Pará pode ser o vice de Pioneiro



O advogado Fábio Figueiras, é um dos nomes cotados para ser o vice de Pioneiro. Fábio foi  Secretário de Estado, e é um advogado muito atuante junto aos movimentos  socias e populares de Ananindeua, ele é filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro).

O Dr. Newton Pereira reforça o time dos candidatos a vereadores do PT em Ananindeua

Zé Dirceu e Newton Pereira
O Advogado Newton Pereira, foi "enquadrado" (como se diz no velho jargão da esquerda), para ser candidato a vereador pelo PT de Ananindeua. Dirigentes estaduais do partido, solicitaram  que ele entrasse na chapa petista para ajudar a legenda na disputa para Câmara de Ananindeua. Também avaliam que a sua candidatura pode melhorar as relações dentro do PT (Há muitas queixas da militância petista, sobre a influência do PMDB em alguns dirigentes petistas no municipio).  Ele ainda está avaliando.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Pré-vestibular Municipal de Ananindeua: Professores são obrigados a assinarem recibos em branco ao receberem os seus salários?


Denúncias têm chegado até nós de que os professores que trabalham no Pré-vestibular Municipal de Ananindeua, são obrigados a assinar recibos com valores em branco ao receberem os seus salários. Não é de hoje que correm boatos desta prática delituosa naquele Projeto da Prefeitura , cuja Secretaria de Educação entregou a gestão deste Projeto desde 2009 à presidência da ala jovem do PMDB. Além disso, chegaram outras denúncias de que tal gestão tem se favorecido cobrando mensalidades de alunos do seu cursinho pré-vestibular (MEGA STATUS) para estudarem juntamente com os alunos selecionados pela Prefeitura.

Pré-vestibular Municipal de Ananindeua: Professores entre a Cruz e a Espada.

Chegaram denúncias até nós que o gestor do Pré-Vestibular Municipal de Ananindeua, um cidadão chamado "Júnior" - ativista da ala jovem do PMDB -, colocou os senhores professores entre a cruz (Colégio Castanheira) e a espada (Pré-Vestibular Municipal) no último dia 08 de maio, terça-feira. Devido as denúncias feitas por nós quanto a gestão corrupta daquele Projeto Municipal (falsos resultados de aprovação, repasses de recibos com valores em branco para os professores obrigatoriamente assinarem, cobranças de mensalidades de alunos não selecionados pela Prefeitura, vendas de materiais provenientes da Prefeitura etc.), o referido gestor resolveu por conta própria e risco entrar nas salas de aulasdo Pré-Vestibular, dizendo, entre outras coisas, que os professores do Colégio Castanheira deveriam escolher, por ordem do Prefeito, o seguinte: "ou trabalham no Colégio Castanheira ou trabalham no Pré-vestibular Municipal". A verdade é que, além desse indivíduo (o tal do Júnior) atacar-me  em sala de aula dizendo mentiras e calúnias, jogando os alunos e o Prefeito contra a minha pessoa, ele também ataca os senhores professores, que nada têm a ver com o processo de denúncias, com a sua arrogância e totalitarismo.  

Este cidadão, que diz ser o idealizador deste Projeto, mente, desafiando e subestimando as nossas inteligências. Idealizei e trabalhei junto com o ex-vereador Da Costa (PMDB-Ananindeua) na criação deste Projeto durante quase 1 ano, recebendo inclusive a secretária de educação de Ananindeua pelo menos três vezes no Colégio Castanheira, instituição onde deveria ser o 1º Pólo do Pré-Vestibular Municipal. Várias vezes fui chamado ao gabinete da secretária de educação e na última vez, para a minha surpresa, encontrei o referido cidadão por lá esperando para ser também atendido por ela. Logo entendi que eles estavam querendo fazer um 2º Pólo do Pré-vestibular Municipal, mas desta vez com o intuito de fazer deste um "Curral Eleitoreiro". Como eu não acredito em fazer Educação transformando-a em 'políticagem partidária', não tive outra alternativa se não retirar a nossa proposta do original e autêntico Projeto Municipal. Agora recebo notícias de que tal cidadão acusa-me de ser aproveitador em período de eleição, quando na bem verdade merecia ao menos o reconhecimento, juntamente com o falecido amigo e ex-vereador Da Costa, que tanto vez pelo nosso Município, dos verdadeiros idealizadores do Projeto, mas não certamente deste que se pratica agora, onde impera a corrupção, a repressão aos senhores professores e amigos, o crime eleitoral escatalosamente à vista de um cidadão que pleteia o cargo de vereador e, talvez, secretário de educação de nosso Município, sem qualificação e equlíbrio para tal.

PRÉ-VESTIBULAR MUNICIPAL DE ANANINDEUA: FRACOS RESULTADOS ATÉ AQUI.

Prezados estudantes,
Acreditamos que seus esforços e dos senhores professores foram mesmo compensadores. Vocês se destacaram entre 'centenas de vestibulandos' que estudaram no pré-vestibular municipal, pois sabemos que o índice de aprovação ali alcançado em 2012 foi extremamente baixo (de 1.500 selecionados, foram apenas 27 estudantes que conseguiram vagas nas Universidades públicas). A conclusão que chegamos é a seguinte: os recursos financeiros da Prefeitura, investidos no pré-vestibular municipal, são incompatíveis com os fracos resultados. Ora, o povo de Ananindeua merece que seus recursos sejam investigados e melhor aplicados, merece um maior índice de aprovação, independente de politicagem, de quaisquer posições partidárias, independente de quem esteja na gestão deste grande Projeto, que atualmente nos parece bem pequeno pelo que tem proporcionado à população desde a sua criação em 2009. Portanto, a nossa salutar crítica, não se refere, sob nenhuma hipótese, a quem passou ou deixou de passar no vestibular - vocês são os únicos vencedores reais desse Pojeto que se tornou querelas entre educação e demagogia-, mas sim àqueles que muito prometeram e quase nada cumpriram utilizando-se do "dinheiro público", pois de acordo com os "cálculos dialéticos", seria de se esperar que naqueles "banquetes de discursos" de campanha política, o povo fosse agraciado à resultados melhores na aplicação de seus recursos. Esperamos que esta crítica possa servir, não para tirar de circuito o Pré-Vestibular de Ananindeua, mas sim fortalecê-lo.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

No Brasil, apenas 8% dos homicídios são solucionados e 63% da população não confia na polícia

Por Décio Viotto da Agência Pública

  
A Pública foi ouvir quem convive no dia-a-dia e quem estuda o fracasso das nossas forças policiais

Aos 30 anos, Humberto Ramos é o que chamam de linha de frente da polícia civil paulista. Escrivão, trabalha no plantão policial com a arma na cintura no 49º Distrito, em São Mateus, o mais movimentado de São Paulo, e quiçá do Brasil. Desde janeiro até maio foram registradas nove mil ocorrências. Ali Humberto passa até mesmo as suas férias.

“Vim para ajudar, tem muito serviço”, explicou. Naquele dia também estava ali para dar uma entrevista sobre o livro que está lançando, “Dê um novo poder ao policial”, o primeiro escrito por um policial brasileiro sobre neurolinguística, neurociências e as técnicas de Reid, processo desenvolvido pelo policial de Nova York, John Reid, que integra entrevista e interrogatório. É aí que o escrivão quer colocar o dedo. “A polícia não precisa usar a força desnecessária, basta usar o poder de persuasão. O verdadeiro poder policial está na habilidade de conquistar e influenciar pessoas”, diz ele, que garante querer ser escritor e palestrante “para melhorar a polícia brasileira”.

Não é uma tarefa fácil. Segundo diagnóstico da Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp), traçada pelo Ministério Público, Conselho Nacional de Justiça e Ministério da Justiça com o objetivo de reduzir a impunidade dos crimes de homicídio no país, o treinamento técnico da polícia deve ser prioridade para melhorar a segurança pública. A Enasp realizou um mutirão nacional com as policiais estaduais para levantar os inqúeritos de homicídios não solucionados até 2007 – 135 mil – e conseguiu denunciar suspeitos em 19% dos casos. A porcentagem parece pequena, mas é grande quando comparada àmédia nacional de elucidação de homicídios: de 5 a 8%. Os mais de 90% restantes ficam sem solução.

São 50 mil homicídios por ano no país, o maior do mundo em termos absolutos, segundo relatório da ONU de 2011, que colocou o Brasil no 3º lugar em violência na América Latina, e 26o do mundo. Desses, apenas 4 mil por ano têm seus autores presos, segundo estimativa de Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da pesquisa Mapas da Violência.

CSI brasileiro

A fragilidade das investigações policiais é regra do norte ao sul do país. Em Alagoas, o grupo de trabalho do Enasp descobriu o sumiço de mil dos 4.180 inquéritos instaurados entre 1990 e 2007 para apurar homicídios dolosos. No Rio Grande do Sul, o Relatório de Controle Externo da Atividade Policial, encaminhado à cúpula da Secretaria de Segurança Pública, constatou que delitos com “repercussão na imprensa” têm preferência nas delegacias da grande Porto Alegre, enquanto os demais permanecem parados. Em 2008, apenas 16% dos inquéritos tornavam-se processos judiciais em Porto Alegre. O restante era devolvido ou arquivado pelo Ministério Público por insuficiência de provas técnicas para denunciar os réus.

E por que o Ministério Público devolve e arquiva tantos inquéritos? Porque em muitos casos as investigações são insuficientes ou incompletas, diz a promotora de Justiça da área criminal e professora doutora em Ciências Penais, Ana Luiza Almeida Ferro. Ela explica que o Ministério Público só pode apresentar denúncia para o juiz – abrindo assim um processo judicial – se houver suporte “testemunhal, pericial ou documental” que mostre que houve um crime e indícios que apontam para o suspeito. Senão, o processo será rejeitado pelo juiz.

Em sua rotina de promotora, Ana Luiza raramente encontra inquéritos consistentes: “Enfrento esta realidade cotidianamente. Em expressiva parte dos casos, o inquérito chega incompleto, deficiente, sem provas suficientes para a formulação da denúncia e a fundamentação de uma futura condenação. Então o Ministério Público não tem outra escolha que não se manifestar pela devolução do inquérito à polícia para o cumprimento dessas necessárias diligências complementares. O Judiciário, de sua parte, nada pode fazer sem a denúncia. Se os inquéritos fossem mais fundamentados, menos incompletos, haveria maior rapidez”, diz.

O vai-e-vem de inquéritos entre Ministério Público e polícia acaba facilitando a vida dos autores dos assassinatos. “A prescrição lhes favorece. Fica mais difícil localizar testemunhas. Vestígios se apagam. Provas esmaecem. Por outro lado, denunciar sem dispor de provas suficientes para tal e, sobretudo, para alicerçar uma futura condenação também interessa aos criminosos e àqueles que torcem pela impunidade”, reconhece Ana Luiza, para quem “a Justiça tardia e, pior, a impunidade são negações da democracia.”

O sociólogo Michel Misse, coordenador do Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana da Universidade Federal do Rio de Janeiro, acredita que a divisão de funções entre Ministério Público e polícia civil entre investigação (feita pela polícia civil), e a denúncia (a cargo do MP, que é o titular da ação penal) é o principal problema: “É o chamado pingue-pongue, o vai e vem entre o delegado e o MP, um modo de o inquérito não ficar em lugar nenhum até que, passados meses e, em vários casos anos, ele venha a ser arquivado”.

Segundo a Constituição, a investigação também é atribuição do MP. “Apenas no Brasil encontramos uma solução ambivalente na persecução criminal”, diz Misse. Em qualquer outro país, diz, a fase destinada a apurar se houve crime e a identificar o autor pode ser exclusiva da polícia ou do Ministério Público. Ou seja, o Ministério Público pode investigar e apresentar a denúncia e não apenas encampar o inquérito policial ou devolver ao delegado.

A promotora Ana Luiza acredita que reforçar a capacidade de investigação da polícia também ajudaria a reduzir o “pingue-pongue” que favorece a impunidade: “Uma deficiência crônica, por exemplo, está na parte pericial, nos casos em que tal prova é exigida. E há casos complexos, particularmente aqueles que envolvem crimes do colarinho branco e de lavagem de dinheiro, além de atividades do crime organizado”, pondera.

“Não podemos viver numa tragédia e achar normal”

Apesar da ineficiência do sistema, os gastos do país em segurança atingem R$ 60 bilhões por ano. “Em relação ao PIB gastamos mais que a França e estamos no mesmo patamar da Alemanha”, compara Renato Sérgio de Lima, secretário-executivo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.“Só que o serviço é muito pior”, constata.

Renato, como a maioria dos especialistas ouvidos pela Pública, acredita que é preciso pensar em um novo modelo de segurança pública no Brasil. Porque este que está aí “é caro e ineficiente, com altas taxas de violência”, diz. O maior problema, diz, é que “a polícia que temos não está voltada para o cidadão, está preparada para defender os interesses do Estado”.

“Precisamos saber o que a gente quer”, afirma o secretário do Fórum. “O governo, o Estado tem que ter responsabilidade, não é só punir quem está na ponta. Tem que punir quem autoriza, quem delega poderes. Não podemos viver numa tragédia e achar normal, precisamos de política pública”.

O relatório da Enasp enfatiza a necessidade de contratar mais peritos e obter mais equipamentos para os órgãos periciais de algumas regiões do país – a distribuição de recursos e expertising é bastante desigual, já que os Estados têm capacidade financeira e prioridades políticas diferentes. Mas dá maior ênfase à necessidade de treinamento dos que participam da elucidação dos crimes, de estimular a meritocracia na carreira policial e estabelecer o controle externo das investigações nos crimes de homicídio.

Uma conclusão parecida à que chegou em seu dia-a-dia na polícia o escrivão Humberto, que investiu as economias dos nove anos de carreira em cursos de treinamento. Nos últimos dez anos, ele diz, os investimentos que viu na polícia civil paulista ficaram concentrados em armamentos e tecnologias digitais. “Nesse mesmo tempo quase nada foi aplicado em desenvolvimento humano”, lamenta.

63% da população não confia na polícia

A curva ascendente da violência acompanha a da impunidade. Entre 1992 e 2009, a taxa de homicídios cresceu 41% de acordo com pesquisa divulgada pelo IBGE em junho. Os números de 2009, os mais recentes, mostram uma média de 27,1 mortes para cada 100 mil habitantes. De acordo com parâmetros internacionais, a violência em um país pode ser considerada endêmica a partir de 10 mortes para cada 100 mil.

Números que contribuem para a má imagem da polícia junto à população. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas realizada no primeiro trimestre de 2012 apontou que 63% da população de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal não confia na polícia. Conforme o levantamento, coordenado pela professora Luciana Gross Cunha, a população com renda inferior a dois salários mínimos (R$ 1.244) é a que mais desconfia dos policiais: 77% disseram-se “muito insatisfeitos” ou “um pouco insatisfeitos” com os policiais. “São as pessoas que sofrem mais discriminação e preconceito da polícia”, diz ela.

São as mais frequentes vítimas da violência policial que fez o Conselho de Direitos Humanos da ONU pedir a extinção da PM e a Anistia Internacional denunciar a tortura como “método” de interrogatório nas delegacias paulistas e as execuções extrajudiciais praticadas por forças policiais.

“Precisamos urgentemente discutir que tipo de polícia a gente tem”, diz a professora.

As conclusões do relatório mais recente da Anistia Internacional convergem para a percepção da violência policial entre os mais pobres. A prática da tortura, afirma a entidade só joga mais lenha na fogueira; é usada nas ruas, em delegacias, presídios, centros de recolhimento de adolescentes “como meio de obter confissões, subjugar, humilhar e controlar pessoas sob detenção, ou com frequência cada vez maior, extorquir dinheiro ou servir aos interesses criminosos de policiais”.

Como agravante, relata a Anistia, “a grande maioria das vítimas é composta de suspeitos criminais de baixa renda, com grau de instrução insuficiente, frequentemente de origem afro-brasileira ou indígena, setores da sociedade cujos direitos sempre foram ignorados no Brasil”.

Já o Conselho de Direitos Humanos da ONU pediu ao Brasil maiores esforços para “combater a atividade dos esquadrões da morte” (compostos por policiais civis e militares) e que trabalhe para “suprimir a Polícia Militar, acusada de numerosas execuções extrajudiciais”.

O relatório também pediu que o Brasil garanta que “todos os crimes cometidos por agentes da ordem sejam investigados de maneira independente”.

Seguir essa recomendação significa mexer em outro ponto crítico do sistema de segurança pública: o corporativismo que substitui a rivalidade entre as polícias e departamentos policiais quando o réu é agente do sistema de segurança. No estado de São Paulo, por exemplo, a Secretaria de Segurança Pública determinou em abril de 2011 que mortes em confrontos com PMs fossem investigadas pelo departamento de homicídios da Polícia Civil. De lá para cá, nenhum policial foi punido. Dos 500 casos analisados, todos na região metropolitana, 40% foram esclarecidos e em nenhum deles constatou-se desvio de conduta, ou seja, em todos os casos os PMs teriam tido motivo para atirar.

O que fez o relatório da Enasp incluir como medida a ser adotada imediatamente a “definição de parâmetros específicos para o controle externo nas investigações dos crimes de homicídio”.

Armas que vão e voltam

A corrupção também está entre os ingredientes que enfraquecem a segurança pública e multiplicam os homicídios. Armas de criminosos recolhidas pela polícia voltam a circular e o comércio ilegal de armas raramente é investigado, menos ainda punido. Policiais fazem bicos, aceitam propinas e vendem proteção para comerciantes, o que dá origem à formação de esquadrões da morte e à circulação ilegal de armas, como aponta o relatório da Anistia. Mais de 80% das armas apreendidas em situação ilegal é de fabricação brasileira, ou seja, foram comercializadas aqui.

“O debate da segurança pública é frequentemente contaminado por considerações de ordem ideológica, impedindo a implementação de medidas importantes nessa seara. Falta a sensibilidade de entender que deve haver um equilíbrio entre o interesse da garantia dos direitos dos cidadãos (e dos investigados) e o interesse da segurança pública”, defende a promotora Ana Luiza.

Junte-se a isso o apelo à força policial, a ideia de que “bandido não tem direitos humanos”, rotineiramente defendidos por uma parte da sociedade, também são vistos como fatores que enfraquecem a segurança pública de acordo com especialistas e estudiosos do tema.

Em março de 2012, confrontado com os indíces de homícidio haviam aumentado 50% em comparação com o mês anterior, o coronel Josiel Freire, subsecretário de operações da secretaria de segurança de Brasília – cuja polícia é a mais bem paga do país –declarou à imprensa: “Quase 70% das vítimas de homicídios estão envolvidas com crime e tráfico. O transeunte mesmo não está sendo vítima”. É digno de nota que a declaração não tenha causado escândalo – e nem mesmo muitas críticas.

Para o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, que há mais de uma década vem fazendo mapas de violência no Brasil, a situação da violência chegou a um ponto do que ele chama de pandemia. “É um problema estrutural, mais difícil de cuidar. A violência está incorporada”.

“A identificação do brasileiro como ‘homem cordial’ não se sustenta mais”, lamenta ele.

domingo, 24 de junho de 2012

O Dep. Eliel Faustino é candidato a prefeito?

Foto: ASCOM/Dep. Eliel
Recebermos uma informação que o Dep. Eliel Faustino (PR), vai ser candidato a prefeito de Ananindeua. Há dois  meses atrás, o Deputado teve seu nome retirado da disputa a mando do "capo" do PR,  Anivaldo Vale, agora o nome de Eliel volta a ser colocado como candidato a prefeito de Ananindeua.  Vamos espera até o dia 30/06 de junho,  prazo final para homologação das candidaturas, para finalmente essa novela ter fim.

Entrevista com Elison Oliveira. Presidente do Sindetran Pará. "Parece que o governo não tem o menor compromisso com o Servidor Público... nem com a sociedade"

sábado, 23 de junho de 2012

Viva São João!

LUGO ACEITA O IMPEACHMENT. BASE MILITAR EM IGUAÇU !



O Brasil precisa tratar de construir uma base militar em Foz do Iguaçu, o mais rapido possível.
Defender Itaipu, já !

O presidente do Paraguai Fernando Lugo aceitou o impeachment decretado pelo Senado.


Não ofereceu nenhuma resistência ao Golpe.

Como diz o Mauro Santayana,
venceram os “Katios” e a base americana.
O Brasil precisa tratar de construir uma base militar em Foz do Iguaçu, o mais rapido possível.

E reforçar a defesa de Itaipu.
Paulo henrique Amorim

ARTIGOS RELACIONADOS


(72)


(150)


(222)


(64)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Miro Sanova não é mais candidato a prefeito de Ananindeua


O vereador Miro Sanova  (PDT),  retirou sua pré-candidatura a prefeito de Ananindeua. O vereador que vinha sendo cortejado por alguns líderes político do município para ser candidato ao cargo majoritário, resolveu não arriscar um mandato certo de vereador (Miro aparece em todas as pesquisas na frente para a Câmara de Ananindeua). O jogo político em Ananindeua ainda nem começou e já temos um fora de campo.





 Foto: Rui Baiano Santana

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Sobre a ausência da CUT: Greve dos servidores e o "velho estilo" do PSDB governar

Por Vera Paoloni

 Nessa hora estávamos eu e Martinho na Alepa, onde o trator do PSDB e base aliada aprovavam o famigerado projeto das PPP's que entrega para privatização 14 setores públicos do estado.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Greve dos servidores e o "velho estilo" do PSDB de Governar

Harley Cunha do comando de greve, "negocia" com a PM


Alice Viana
Os servidores da ADEPARÁ e do DETRAN que estão em greve,  realizaram um ato público ontem (20/06) em frente à Secretaria de Administração na Av. Gentil.  O ato foi organizado pelo STAFPA e Sintdetran, os sindicatos  tentavam uma audiência com a secretária de Administração do governo Jatene, Alice Viana, mas segundo um dos manifestantes, a secretária saiu pelos fundos do prédio às escondidas  para não receber os servidores em greve. No "velho estilo"  do PSDB de governar, mandou a PM para "negociar" com os grevistas, poderia acontecer um confronto,  mas prevaleceu o bom senso, com os policias garantindo o patrimônio público e os trabalhadores realizarando um ato pacífico. Os servidores reivindicam implantação do PCCR (Planos de Cargos e Salários) e reajuste salarial. Os trabalhadores da Adepará estão em greve há um mês. Harley Cunha do comando geral da greve, afirmou que a direção da ADEPARÁ está disposta a negociar, mas foi proibida pela Secretária Alice Viana, que está intrasigente e não quer negociar com os servidores públicos.

Servidores em frente a SEAD, a Secretária Alice Viana fugiu
Servidores da ADEPARÁ em Greve Geral

Harley Cunha do Camando de Greve, e Patricia, Presidenta do STAFPA

Marcão Fontelles da CTB, fala no Ato. Faltou a CUT
DETRAN parou

Servidores do DETRAN  protesta
Fotos: Rui Baiano Santana

terça-feira, 19 de junho de 2012

Entrevista com o Prof., Ulisses Vasconcelos, Educador e Ambientalista em Ananindeua


 Nessa entrevista o professor Ulisses, fala de educação, meio ambiente, política e cidadania em Ananindeua.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

A Máfia do Reboque em Ananindeua

Deu no Blog do Professor Luis Cavalcante

Na caixinha de comentários

O blogueiro recebeu e publica o texto-denúncia de um comentarista do blogue.
Assegura ao denunciado (caso deseje) o mesmo espaço para apresentar sua versão sobre a denúncia.

A Máfia do Reboque

Nomeado como diretor de transporte da Secretaria Municipal de transporte e transito de Ananindeua – SEMUTRAN, o ex-superintendente da Polícia Rodoviária Federal, Isnard Ferreira, tem causado terror e medo aos motoristas de Ananindeua.
Todos os dias são dezenas de carros, motos, ônibus guinchados e multados pelo órgão. Além da prepotência e arrogância o diretor de transporte mantem relações obscuras como o dono do Pátio o Sr. Renato Luna, que ganha com a quantidade de carros presos no curral de sua propriedade.

O Filho de Isnard e sua esposa (nora de Isnard) tomam conta da administração do pátio que é um serviço particular e terceirizado , onde são levados os carros rebocados pelo Demutran. Para serem retirados o proprietário dos veículos tem que pagar uma taxa de R$ 102 (cento dois reais) e diárias.

Ele não admite ser questionado, age como se sua diretoria fosse um quartel, diz que não é cota do Helder e sim do “Chefe”( Jader).

Questionando pelo Vereador Braga (PMDB) homem forte do prefeito Helder na Câmara, por inúmeros reboques de carros em Ananindeua de apoiadores do governo Helder, Insard gritou bem alto na frente de todos no Demutran. “Vereador, aqui seu apito é surdo. Quem manda sou eu “.

De acordo com denúncias, o agente de trânsito tem uma cota diária de carros a ser aprendidos e levados ao curral, a mando de Isnard e Renato
Movimentos populares tem realizados várias manifestações no município denunciado as ações de reboque do Demutran. Eles encaminharam denúncias ao Ministério Público.

Dizem que em conversas reservadas, Helder tem se preocupado, com a repercussão que esse caso pode ter no processo eleitoral.
Os correligionários do Prefeito tem dito que Isnard hoje é melhor cabo eleitoral de Pioneiro.

Foto Google

sábado, 16 de junho de 2012

Do mimeógrafo a Blogesfera: Entrevista com Pedro Porfírio ex-preso político e jornalista das Ligas Camponesas



Pedro Porfírio é Jornalista desde 1961, em 62 trabalhou na Rádio Havana em Cuba, foi militante e jornalista das Ligas Camponesas no Brasil. foi  preso e torturado na ditadura, quando era chefe de redação da TRIBUNA DA IMPRENSA, hoje Pedro é um blogueiro atuante no Rio de Janeiro, ele  foi também Secretário Municipal de Desenvolvimento Social. Exerceu também mandatos em 4 legislaturas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Nessa entrevista exclusiva aos blogs Ananindeuadebates e Parádebates, realizada em Salvador no III Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas em Maio de 2012, Pedro fala sobre a Comissão Verdade. cita a participação de Carlos Araújo, ex-marido de Dilma, nas Ligas Camponesas do Rio Grande do Sul, critica que as ruas no Brasil tenham nomes de militares que serviram a Ditadura, ele fala do avanço da blogesfera na Europa.
 
Entrevista Rui Baiano Santana

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Artigo de Fabio Lima: A intransigência no Poder. 0 governo Jatene não percebeu ainda que a greve da Adepará, põe em risco um importante trunfo político e econômico para o Estado, estamos pleiteando para todo o Estado do Pará a mudança de status sanitário, para livre de febre aftosa

Fabio Lima
A intransigência e o autoritarismo andam lado a lado, quando se fala do governo Jatene e seus secretários, essa postura arrogante em não discutir os problemas com os servidores é típico do PSDB, desde o governo Almir Gabriel, passando pelo 1º mandato de Jatene os servidores, não conseguem manter um canal de negociação para discutir a questão salarial, junta-se a essa conjuntura a atual secretária de Administração(SEAD), Alice Viana, que tem  rechaçado qualquer proposta de resolução que é apresentado a sua secretaria.
 Essa política salarial impositiva, lamentavelmente desvaloriza e desestimula os trabalhadores que levam a máquina burocrática a duras penas. Paradoxalmente o governador cria 5 novas super secretarias e incrementa a folha com dezenas e centenas de novos DAS, para cumprir acordos políticos com seus aliados. Essa política incha a folha salarial e serve como argumento para justificar o aumento de quase 100 milhoes de reais na folha de pagamento em apenas 1 ano e 5 meses de governo. Diante deste cenário, resta aos trabalhadores se organizar e cobrar, usando como instrumento de pressão a paralisação e a greve, como no caso da Adepará, que desde o dia 11 de maio, seus servidores resolveram deflagrar o processo de greve.
Apresento a seguir uma série de elementos que justificam a insatisfação dos servidores da ADEPARÁ para com a sua remuneração: Hoje a Adepará é responsável pela fiscalização e inspeção de produtos e subprodutos de origem animal e vegetal; o  Estado do Pará tem o 5º maior rebanho bovino e o maior  rebanho bubalino do país;  respondemos por 95% da exportação de boi em pé para países como Líbano, Egito e Venezuela; Exportamos carne bovina para Europa, Asia, EUA e Oriente Médio; nossa produção vegetal também é expressiva, são os casos do Óleo de Palma, Cítricos, Cacau, Abacaxi, Feijão, Mandioca, Soja milho entre outras Culturas. Toda essa produção perpassa obrigatoriamente pelos programas de Acompanhamento, inspeção e fiscalização da Adepará. Por isso é injustificável termos o 2° pior salário entre todas as agencias de defesa do país. Nossa produtividade não é acompanhada pela remuneração. Um claro exemplo disso é que a o governo Jatene não percebeu ainda que a greve da Adepará, põe em risco um importante trunfo político e econômico para o Estado, estamos pleiteando para todo o Estado do Pará a mudança de status sanitário, para livre de febre aftosa com vacinação, junto ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento(MAPA) e também a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), órgão que avaliza os programas sanitários a nível internacional. Essa mudança de patamar sanitário significa que o Estado está cumprindo suas obrigações para com o Brasil e com o Mundo, além de abrir as portas para a implantação de frigoríficos e a indústria do setor alimentício nacional e internacional.

Nesse sentido, a pauta dos servidores é mais do que justa, “não temos a pretensão de querer um salário similar ao fiscais do MAPA, que gira em torno de R$13.000, nem ao menos estamos discutindo os maiores valores de salário base das Agencias de Defesa estaduais, que hoje é acima de R$5.000, queremos um salário digno que corresponda a importância das tarefas que executamos nesse imenso Estado”. Por isso, não abrimos mão a manter a organização e buscar aliados para sensibilizar o executivo para que entendam que a responsabilidade maior em manter o bem estar econômico, político e social e sanitário de seus cidadãos é do governador Simão Jatene.(Comissão De Greve).

Fabio Lima é estudante em biologia da UEPA

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Priante não assinou a CPI do Cachoeira


O deputado federal Priante Barbalho (PMDB), não assinou a CPI do Cachoeira. a pergunta que muitos devem fazer: Porque o Deputado Priante candidato a prefeitura de Belém não assinou a CPI para investigar o Bicheiro Carlinhos Cachoeira? O espaço está aberto para o deputado responder.

AS CINCO METAS DO NOVO PLANO DE GOVERNO DE CHÁVEZ

Direto da Venezuela
Coluna Diário de um Blogueiro: Jornalista e  blougueiro Jadson Oliveira (Foto), 67 anos, trabalhou como jornalista, em diversos jornais e assessorias de comunicação, de 1974 a 2007, sempre em Salvador (Bahia). Na década de 70 militou no PCdoB e no movimento sindical bancário. Ao aposentar-se, em fevereiro/2007, começou a viajar pelo Brasil, América Latina e Caribe. Esteve em Cuba, Venezuela, Manaus, Belém/Ananindeua (quando do Fórum Social Mundial/2009) e Curitiba, com passagem por Palmas, Goiânia e Campo Grande. Depois Paraguai, Bolívia, Trindad Tobago , São Paulo, Argentina.  virou viajante e blogueiro. Jadson está na Venezuela cobrindo a eleição presidencial.  Clic aqui e acesse o blog do Jadson Oliveira

Ruas e praças do centro de Caracas ocupadas por militantes chavistas na tarde de segunda, dia 11
De Caracas (Venezuela) - Os cinco objetivos do chamado Segundo Plano Socialista da Nação, conforme apresentado pelo presidente Hugo Chávez, na segunda-feira, dia 11, em discurso quando da inscrição de sua candidatura para as eleições de 7 de outubro. O plano de governo, caso ele seja reeleito (é considerado amplamente favorito), é para o período de 2013-2019. Segundo declarou, trata-se de um esboço aberto à discussão entre os partidos políticos e os movimentos sociais. “São vocês, o povo venezuelano, que dará força” ao plano, disse ele. Tal plano foi entregue, no ato de inscrição, ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE, equivalente ao nosso Tribunal Superior Eleitoral/TSE).

Seu principal opositor é Henrique Capriles, que se inscreveu no CNE no domingo, dia 10, e fez também uma grande manifestação nas ruas de Caracas (ver postagens anteriores deste blog).

O resumo abaixo foi traduzido de aporrea.org , portal que se apresenta como “comunicação popular para a construção do socialismo do século 21”. As palavras de Chávez estão entre aspas:

1.- Manter a independência nacional: “A Venezuela até uma década atrás era duplamente manietada, dominada. Hoje a Venezuela é politicamente falando um país independente e devemos defender o bem mais precioso que temos conseguido em 13 anos da revolução bolivariana: a independência”.

2.- Aprofundar o socialismo no país: “É projeto original do Libertador Simón Bolívar, dar continuidade à construção do socialismo. Tentemos penetrar na classe média com o discurso, a argumentação e as ideias. No setor C e B também devemos ir com as ideias”.

3.- Converter a Venezuela em potência: “No Socialismo, a Venezuela se posiciona como o país mais feliz da América do Sul. Sob o Capitalismo, teria sido impossível. A propriedade social dos meios de produção a nível da comunidade e do bairro é vital. Com ela converteremos o país numa verdadeira potência no econômico e no social”.


4.- Acabar com a unipolaridade do império: “O quarto objetivo histórico é que a Venezuela siga contribuindo com a construção de um mundo multipolar. O projeto do “majunchismo” (é como os chavistas chamam os opositores, de “majunche”, medíocre) é o capitalismo que nos levaria a um novo caos”.

5.- Contribuir com a salvação do planeta: “Temos que contribuir com a conservação da vida na Terra. É dever do socialismo, do nosso socialismo, contribuir com a salvação do mundo”.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Pará no STF: CNI contesta taxas sobre atividade de exploração de minério no Pará e em dois Estados - Sindicato tenta reintegrar funcionários do TJ-PA demitidos por determinação do CNJ


A Confederação Nacional da Indústria (CNI) ajuizou três Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs 4785, 4786 e 4787), no Supremo Tribunal Federal (STF), nas quais pede liminar para suspender os efeitos de leis estaduais de Minas Gerais (Lei 19.976/2011), do Pará (Lei 7.591/2011) e do Amapá (Lei 1.613/2011), que instituíram taxas de controle, monitoramento e fiscalização das atividades de pesquisa, lavra, exploração e aproveitamento de recursos minerários (TFRM). Na edição das leis, os estados invocaram o poder de polícia sobre esta atividade.

ADI sobre taxas em exploração de minério terá rito abreviado


Por considerar a “complexidade e delicadeza” das questões tratadas na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4785, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), adotou procedimento abreviado para que a ação seja julgada diretamente no mérito.

Sindicato tenta reintegrar funcionários do TJ-PA demitidos por determinação do CNJ


O Sindicato dos Funcionários do Poder Judiciário da Grande Belém e Região impetrou no Supremo Tribunal Federal (STF) o Mandado de Segurança (MS) 31385, com pedido de liminar, solicitando a reintegração de funcionários do Tribunal de Justiça paraense demitidos no início do ano por ordem do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O mandado de segurança coletivo, distribuído ao ministro Dias Toffoli, questiona resoluções proferidas pelo CNJ exigindo o desligamento de servidores admitidos sem concurso público. Cumprindo a determinação, o TJ-PA publicou ato administrativo de desvinculação dos funcionários.
A ação alega que a Lei 5.810/94 do Estado do Pará, que estabeleceu o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis do Estado, determinou que os servidores contratados por prazo indeterminado teriam asseguradas as mesmas vantagens atribuídas aos demais servidores considerados estáveis por força do artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Segundo o artigo, os servidores não concursados em serviço há cinco anos na data da promulgação da Constituição Federal seriam considerados estáveis.
O sindicato alega que enquanto a norma instituída pela Lei 5.810/94 não for declarada inconstitucional, ela mantém seus efeitos legais, ficando impedida a administração pública – no caso, o CNJ – de avocar a competência para fins de decretação de seu vício.
O sindicato solicita a manutenção dos servidores que ingressaram no tribunal antes da promulgação do Estatuto do Servidor Público do Estado do Pará, de 24 de janeiro de 1994, tendo em vista o princípio da segurança jurídica.

Do Site do STF

sábado, 9 de junho de 2012

Edinaldo calou, a blogosfera não


O editor do Blog da Dilma, Alberto Perdigão (@falaperdigao), entrevista o ativista das redes sociais Tiago Aguiar (@t_aaguiar), diretor do documentário De Ferro e de Flor, sobre o assassinato do blogueiro de Serra do Mel (RN) Edinaldo Filgueira, ocorrido no dia 15 de junho de 2011.
Seis tiros ecoaram na noite de Serra do Mel, a pacata cidade do noroeste norte-riograndense, a 300 quilômetros de Natal. O blogueiro e dirigente municipal do Partido dos Trabalhadores Edinaldo Filgueira tombava morto, aos 36 anos, quando saía do trabalho, na noite do dia 15 de junho de 2011, aumentando a estatística brasileira dos crimes de pistolagem com motivação política. O corpo de Edinaldo foi envolvido com flores oferecidas por uma gente simples, vítima da mídia excludente, que tinha naquele conterrâneo o único canal de informação livre e expressão cidadã. Mas o caso, este foi envolto num extremo silêncio, por parte da mídia tradicional que, assim agindo, beneficia uma Justiça suspeita e premia os acusados do crime - entre eles, o suposto mandante, o prefeito de Serra do Mel, Josivan Bibiano, do PSDB.
Um ano depois do crime, ao ver o prefeito solto e sem dia para ser julgado, blogueiros e ativistas das redes sociais voltam a dar visibilidade ao caso, como forma de repudiar a violência contra a liberdade de expressão e de denunciar o risco de que os assassinos de Edinaldo fiquem impunes. Manifestações estão marcadas para Serra do Mel e Natal. Em Fortaleza, será realizado, nesta quarta feira (13), o seminário Blogosfera e Cidadania Digital. O ponto alto da programação será o lançamento do documentário De Ferro e de Flor e a participação de seu diretor, Tiago Aguiar, que trabalhou de forma voluntária e teve a codireção de Adriana Amorim (@Adriana_Amorim). “Quando percebemos a importância que o caso tinha e suas peculiaridades, passamos a pensar algo que quebrasse o enorme silêncio imposto pelas grandes empresas de mídia”, afirmou Aguiar, na entrevista que deu ao Blog da Dilma.
Os melhores trechos da entrevista estão a seguir.
Blog da Dilma - O vídeo é uma homenagem a Edinaldo, uma denúncia de violação ao direito de expressão ou um alerta para o risco de que o crime fique impune?
Tiago Aguiar - Edinaldo viveu uma luta buscando por cultura e informação para a população de sua cidade. Além de ser uma pessoa que dá um exemplo raro de altruísmo, em muitas outras cidades como em Serra do Mel é perigoso falar a verdade. O objetivo do trabalho é denunciar que em muitas cidades as pessoas ainda não podem dizer a verdade, questionar um poder, ainda existente, que tem base no coronelismo e no medo.
BD - Qual é a situação do caso hoje?
TA - Os pistoleiros que executaram Edinaldo estão aguardando o julgamento presos, todos parentes do prefeito do município. O clima de impunidade é muito grande, pois o prefeito Josivan Bibiano ficou em cárcere por apenas 10 dias e hoje segue administrando o município, livre. E isso tem despertado quase toda a população daquela cidade o sentimento de que ele é inocente, já que não está mais preso, ou de que ele faz o que quer, que tem poder.
BD – O que diz a investigação?
TA - As provas são claras, existem gravações telefônicas que mostram como tudo aconteceu; O grupo de pistoleiros já era investigado pela Polícia Federal, e o Delegado Geral de Polícia da Região Oeste, Odilon Teodósio, construiu um inquérito que mostra até como a indústria do assassinato recebe pelas encomendas, um absurdo desumano!
BD - O Brasil está sabendo do que ocorre no Rio Grande do Norte ou o caso pode cair no esquecimento?
TA - O caso teve uma repercussão enorme no exterior, sendo notícia em veículos como Los Angeles Times, The Guardian e até recebendo a atenção de entidades como Reporters Without Borders e OEA. No II Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas (realizado em Brasília, em 2011) foi apresentada moção de repúdio pelo crime. O maior absurdo é o silêncio dos grandes conglomerados de comunicação, em relação ao assassinato de um blogueiro ligado aos movimentos sociais e ao PT, a mando de um prefeito do PSDB.
BD - Em Serra do Mel, alguém substitui o trabalho do Edinaldo?
TA - A irmã do Edinaldo, Gilvaneide Filgueira, e um amigo de infância, Marcos Victor, tentam impedir que o serviço de internet via rádio pare. Mas o jornal comunitário e o blog do Edinaldo não continuam a transmitir as informações locais. A cidade vive desinformada, com medo da notícia, com medo de dar opinião. A maior dificuldade para realizar o documentário foi o medo, de muitos, de ser filmado, de comentar o caso. As pessoas têm medo de morrer por se expressar.
BD - Haverá manifestações neste dia 15 de junho?
TA - Na cidade de Serra do Mel, a família de Edinaldo tem organizado uma missa e uma caminhada. Gilvaneide Filgueira é quem está mais à frente das atividades que envolvem a memória do irmão. Mas existem movimentos para que o caso não passe despercebido, tanto em Natal como em cidades fora do Rio Grande do Norte e até fora do Brasil. O documentário, por exemplo, será exibido em breve na Inglaterra.
BD – Seria o suficiente para evitar a impunidade?
TA - Uma comissão nacional tem sido formada para vir a Natal e entregar à presidenta do Tribunal de Justiça uma carta cobrando celeridade no julgamento do caso. Um twittaço está programado em todo o país para o dia 15 de junho. A própria data deve ser sancionada no Congresso Nacional como Dia Nacional do Blogueiro. E um debate na Assembleia Legislativa do RN também está sendo organizado para esse dia.
BD – Como é o Edinaldo no documentário?
TA - Edinaldo era um filho de agricultores analfabetos, que não possuíam sequer um nome de família, e que conseguiu estudar, ter formação de bacharel, criar um jornal, levar a internet para a sua cidade, criar uma lan house, prestar serviços de instalação de internet. Algumas pessoas têm solidariedade e até veem o Edinaldo como um mártir na luta pela democratização da comunicação e liberdade de expressão. Não vamos permitir que o caso passe despercebido.
BD - Como vai ser sua participação no Seminário desta quarta-feira (13), em Fortaleza?
TA - No Seminário irei ressaltar alguns aspectos do caso, mostrar a monstruosidade feita. Mas o objetivo principal é debater com as pessoas o poder da informação, da comunicação, hoje disponível para todos, até para filhos de agricultores em um assentamento agrícola. O objetivo é mostrar que os donos do poder têm muito medo dos 99% que servem a um sistema baseado na exploração e exclusão.
BD – E quem quiser ver o documentário?
TA - O vídeo estará em breve na rede, mais especificamente no endereço www.deferroedeflor.com. Estamos lutando, principalmente, para que pessoas em todo o Brasil cobrem por justiça, pois a indústria da pistolagem, do assassinato, não tem o poder que cada um de nós blogueiros temos, que é estar em todos os locais ao mesmo tempo.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Prefeitos de Ananindeua e Marituba reivindicam retorno de ônibus no Entroncamento

                                                                                                       Foto: Oswaldo Forte

Com o objetivo de resolver o caos que se encontra no Entroncamento com as mudanças causadas pelo projeto BRT da Prefeitura de Belém, os prefeitos de Ananindeua, Helder Barbalho, e de Marituba, Bertoldo Rodrigues, reuniram com o prefeito de Belém, Duciomar Costa, para reivindicar que seja reinstalado o retorno que havia para ônibus no Monumento da Cabanagem.
Antes da ordem assinada pela Companhia de Trânsito de Belém (CTBel), os coletivos de Ananindeua davam o retorno na rotatória do Entroncamento para voltar ao município pela BR-316. Mas atualmente parte da rotatória esta fechada para a construção do elevado da obra do projeto BRT. A interdição vai durar quatro meses.

Enviada ao blog via ASCOM da prefeitura de Ananindeua

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Entrevista do Cabo Anselmo ao Roda Viva: Ele traiu seus companheiros e entregou sua mulher grávida para os carascos que a mataram



José Anselmo dos Santos, ou Daniel, ou Jadiel, ou Jônatas… ou mais simplesmente Cabo Anselmo, deu essa entrevista no Roda Viva. Como já se esperava, ele esteve muito à vontade, porque os entrevistadores não pesquisaram a história dos seus crimes, e se fizeram esse indispensável dever, não quiseram levá-lo às cordas, para confrontar as suas esquivas com os depoimentos de testemunhas de 1973, ano das execuções de 6 militantes socialistas no Recife.
O momento mais acintoso foi quando ele se referiu à sua mulher, Soeldad Barrett, e dela retirou a gravidez, para se isentar de um hediondo crime, que cai como um acréscimo à traição de entregá-la para a morte.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Quando a Prefeitura de Ananindeua vai colocar em pratica a Lei de Acesso a Informações?

Acesso à Informação no Brasil

A Lei nº 12.527, sancionada pela Presidenta da República em 18 de novembro de 2011, tem o propósito de regulamentar o direito constitucional de acesso dos cidadãos às informações públicas e seus dispositivos são aplicáveis aos três Poderes da União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
A publicação da Lei de Acesso a Informações significa um importante passo para a consolidação democrática do Brasil e também para o sucesso das ações de prevenção da corrupção no país. Por tornar possível uma maior participação popular e o controle social das ações governamentais, o acesso da sociedade às informações públicas permite que ocorra uma melhoria na gestão pública.
No Brasil, o direito de acesso à informação pública foi previsto na Constituição Federal, no inciso XXXIII do Capítulo I - dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos - que dispõe que:
“todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”.
A Constituição também tratou do acesso à informação pública no Art. 5º, inciso XIV, Art. 37, § 3º, inciso II e no Art. 216, § 2º. São estes os dispositivos que a Lei de Acesso a Informações regulamenta, estabelecendo requisitos mínimos para a divulgação de informações públicas e procedimentos para facilitar e agilizar o seu acesso por qualquer pessoa.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

O III Encontro Nacional de Blogueir@s pela lente de Rui Baiano Santana

Rui Baiano Santana Editor do Blog Ananindeuadebates e Paulo Henrique Amorim  (Foto Jimmy Night)


Mesa de abertura dos Trabalhos
Blogueir@as assistem mensagem que  Lula enviou ao Encontro

Começo dos debates
O ex-ministro Franklin Martins
PHA recita Castro Alves



Debates

Mensagem dos Ministro do STF

Lucia Brincs de Londres para o 3BlogProg

Márcio Pochmann(Camisa verde) do IPEA  anunciou no 3Blogprog que será candidato a prefeito em Campinas

A Mídia Alternativa que está incomodando o PIG

Grupo de Trabalho no 3BlogProg
Trocas de experiências

Rui Baiano Santana e Miro, coordenador do 3Blogprog

Daniel do Blog da Dilma

Manuel Porto, Jadson Oliveira e Jonicael turma da Bahia


Enio do blog 13 Trem, grande figura
Ex-minitro Franklin Martins e o Jornalista Emiliano José (com o  microfone) debate sobre o Marco Regulatório


Rovai da AlterCOM(com microfone) , Maria Frô, Miro, e Leandro Fortes da Carta Capital

Meckel  (Camisa Branca) blogueiro do Tocantins

Blogueiro Pedro Pófirio, foi  jornalista das Ligas Camponesas e ex-preso político

Miro, o inimigo público nº 1 do PIG, Organizador do 3BlogProg
Fotos: Rui Baiano Santana